Férias, Feriados e Faltas

Governos devem preparar-se para reforçar apoios ao emprego

User Rating:  / 0

Os países da União Europeia devem estar preparados para reforçar os apoios ao emprego caso a recessão assuma contornos mais graves e se prolongue no tempo.

A conclusão é de um estudo elaborado por três economistas da Comissão Europeia, que analisaram os planos anti crise já aprovados pelos Estados-membros à luz das últimas previsões de Bruxelas – que apontam para um agravamento da situação económica e do desemprego em todo o espaço europeu nos próximos dois anos.

“Face ao risco de uma recessão particularmente profunda e longa, as políticas adoptadas podem precisar de ser intensificadas, de forma a evitar níveis de desemprego muito elevados com efeitos potenciais de longo prazo nos mercados de trabalho e no emprego”, alertam Guiseppe Carone, Gert Koopman e Karl Pichelmann, economistas na Direcção-geral dos Assuntos Económicos e Financeiros da CE.

Para os autores do estudo, os apoios ao emprego já adoptados vão na direcção certa e têm ajudado a conter a escalada do desemprego, mas poderão não ser suficientes.

Patrões portugueses pedem mais apoios

É essa também a opinião dos patrões em Portugal. Na semana passada, tanto a confederação do comércio (CCP) como a da indústria (CIP) apresentaram ao Governo novas medidas que consideram essenciais para travar os efeitos da crise.

“O pacote anti crise apresentado até aqui é insuficiente. A situação vai agravar-se e as empresas vão precisar de mais apoios”, realçou ao Negócios o presidente da CCP, José António Silva. Esta confederação defende a criação para as micro e pequenas empresas em maiores dificuldades uma moratória de dois anos no pagamento das contribuições para a segurança social e . a correcção de “perversões como o pagamento especial por conta ou as regras referentes ao momento da exigibilidade do IVA.

Também a CIP já veio pedir apoios adicionais. Entre eles está a possibilidade de os trabalhadores com mais de 40 anos de descontos e menos de 60 anos de idade poderem aposentar-se sem penalização. A indústria sugere ainda a possibilidade de ajustamento mais fácil do quadro de pessoal das empresas ao seu nível de actividade.

Tanto a CIP como a CCP defendem a criação de mecanismos de protecção no desemprego dos pequenos empresários vítimas da crise.

In Jornal de Negócios

Raquel  Martins
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.